© theme por Vinícius L.
♥ 14
← reblog
- Amor será que vai doer muito?
- Não vai ser eu que vou sentir mesmo.
- Muito bonito você, faz o melhor e fica se achando.
- Não tenho culpa se eu sou dos bons.
- Sei..
- E ai, pronta?
- Ainda não. Falaram que tem que esperar ficar na vontade.
- Qual a diferença? Dá muito bem pra gente ir indo devagarinho.
- Não quero. Quero esperar.
- Ai depois você vai sentir mais dor e vai ficar gritando no meu ouvido.
- Você não vai ouvir por muito tempo.
- Espero que não, detesto gritos.
- Devia ter pensando nisso antes.
- Vai ficar arrependida?
- Lógico que não.
- Pensei que ficaria. Mas se bem, que agora não tem mais jeito.
- Pois é..
Ele se levantou e foi em minha direção, comecei a sentir dores, e comecei a gritar.
- Anda, tem que ser agora.
- Calma, calma.
- Calma o que? Tá doendo, anda logo.
- Calma, calma, ai tá vendo eu disse pra ir antes, agora dói mais.
- ANDA LOGO PELO AMOR DE DEUS.
Ele me pegou no colo e fomos. Nunca senti uma dor daquelas, mas ela foi amenizada quando ouvir o som do choro do nosso bebê. Olhei para ele, todo pequeno, chorando, querendo alguém quentinho, um colo. E quando olhei para o lado, lá estava ele.. Chorando.
- Tá chorando amor?
- Que chorando o que, sou homem de chorar não.
- Ata, e essas lágrimas são de que?
- Não enche vai.
- Cadê ele? Quero pegar ele.
- Foi fazer os exames lá, já vai vim.
Foi quando eu vi a enfermeira entrando com um pequeno nos braços, comecei a chorar, peguei ele no colo, disse baixinho no ouvido.
- Bem vindo meu amor.
Ele chegou perto de mim também e disse para ele:
- Bem vindo nosso amor. E agora minha felicidade estava completa. Meus dois amores. (via exalar-me)